Archive for Ação & FPS

Batman: Arkham Origins Blackgate para computador e console?

É sim, essa é a novidade! A Warner Bros já confirmou o lançamento de nova versão de jogo da franquia Batman. E não falta muito não: lançamento oficial é previsto para 1º de abril! Então, se você possui um PS3, Xbox 360, Wii U ou um computador (preferivelmente top de linha!), já pode ir economizando um dinheiro aí que vai precisar para não perder essa aventura. Abaixo, trecho da matéria no Outerspace:


A Warner Bros. anunciou que lançará uma versão de Batman: Arkham Origins Blackgate para PC, PlayStation 3, Xbox 360 e Wii U. O jogo era, até então, exclusivo do 3DS e PS Vita. Rebatizada como Deluxe Edition, a versão trará gráficos em alta-definição, melhoras na indicação dos objetivos, dublagens e som surround 5.1. Veja o artigo aqui (Não encontro mais o artigo no site do OuterSpace).

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Titanfall para XBox 360? Vai demorar mais um pouco…


Quem está aguardando pelo lançamento do jogo Titanfall para XBox 360 vai precisar esperar um pouco mais – e não adianta reclamar. Segundo matéria da Outerspace, a EA decidiu atrasar o lançamento da versão para XBox 360 – e só essa versão – com o intuito de realizar “retoques e possíveis ajustes finais”.


A Electronic Arts anunciou que o lançamento da versão para Xbox 360 de Titanfall foi adiado em duas semanas, passando do dia 11 de março para o dia 25. As versões para Xbox One e PC continuam planejadas para o dia 11 de março. Veja o artigo aqui (Não encontro mais o artigo no site do OuterSpace).


Não fique triste, não, pela qualidade dos gráficos do jogo, até que vale a pena esperar mais um pouco para ter esse jogaço em mãos, não é mesmo?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

The Darkness 2

Sim, eu sei que você gosta de jogos FPS. E provavelmente também curte histórias em quadrinhos, não? Então o que você acha de “casarmos” FPS e HQs, jogarmos uma “pitada demoníaca” e ver o que dá? Droga, chegamos atrasados, pois já fizeram isso: e se chama The Darkness 2!


The Darkness 2 é a continuação para um dos primeiros jogos FPS lançados para PS3. Nele, você comanda o personagem Jacke Estacado, que foge um pouco o “padrão de herói” dos jogos mais antigos, seguindo a “linha de GTA“. Jackie é um mafioso que está enfrentando alguns problemas, como o declínio de sua organização e ainda problemas com seus irmãos (problemas esses que podem se tornar bem grandes!). E como se isso tudo não bastasse, ele ainda precisa lidar com seus demônios interiores – e quando falamos aqui de demônios, não estamos falando de forma figurada – só para ter noção, uma das armas que você terá no jogo são dois tentáculos demoníacos, que você pode usar para atacar inimigos, quebrar portas e segurar ou lançar objetos!


Gostou da ideia, não foi? Sei, já estou até vendo seu sorrisinho aí, pensando em como poderá atacar seus amigos no modo multiplayer, mas aí há um pequeno porém: há missões e campanhas, sim, multiplayer, onde você e seus amigos terão que cooperar a fim de eliminar um alvo ou proteger uma pessoa, mas não há um modo deathmatch. Mas não fique triste não, que mesmo assim a diversão está garantida.


A inteligência artificial dos inimigos está muito melhor em relação aos apresentados na primeira versão e agora irão, inclusive, atacar seus pontos fracos – bem, como todo ser semi-demoníaco, você possui a exposição à luz solar ou outras luzes fortes como um de seus pontos fracos, preferindo refugiar-se nas sombras.


Quanto à narrativa, pode-se dizer que por trabalhar com um enredo bem atraente e diferente dos FPS mais convencionais, este jogo acaba por fugir um pouco do simples ciclo “mata-mata”, pois aqui você vai querer acompanhar as cenas e diálogos a fim de saber mais sobre o que está acontecendo – principalmente se você é fã das HQs.


No mais, este é realmente um grande jogo que merece ser jogado, com certeza! Ah, e para ajudá-lo a ter uma melhor noção do que estamos dizendo, aqui vai um vídeo:

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

The House of the Dead: Overkill – Extended Cut


Vamos apresentar agora um rápido review de outro jogo lançado já há algum tempo, porém que merece o devido destaque aqui em nosso blog, trata-se de The House of the Dead: Overkill – Extended Cut, uma versão do jogo lançado no Wii para PlayStation 3 com gráficos em alta definição (infelizmente, a “alta definição” não está tão alta assim e os gráficos são meio “quadradões”, parecendo que não houve um novo trabalho gráfico em cima da versão para Wii, somente uma melhor iluminação e pronto).


Quem gosta da franquia The House of the Dead sabe o que seus jogos possuem de mais interessante: shooters com uma mecânica bastante dinâmica, enredo envolvente e diversas possibilidades de percurso na aventura dos protagonistas. Esses elementos também estão presentes na versão Overkill, mas algumas coisas estão um pouco diferentes.


Falemos primeiro das coisas positivas: a duração do jogo. São seis horas de gameplay! Sim, os jogos da série são famosos por serem shooters bastante longos, mas agora sim há muito tempo de jogo. Além disso, a preocupação da Sega em criar uma atmosfera específica para o jogo é bastante legal: você vai se sentir como se estivesse dentro de um filme de terror dos anos 70. Palmas também para o enredo (que também lembra muito filmes dos anos 70!), onde dois policiais investigam uma estranha mansão onde experiências científicas estão criando zumbis e outros seres nefastos.


Por se tratar de um título focado no público adulto, pode esperar por bastante violência explícita e algumas cenas de nudez – e aqui começa a ficar um pouco diferente dos dois primeiros títulos da série, ou estou errado?


Outro ponto positivo é a presença de minigames destraváveis depois que você completa a primeira campanha, garantindo assim muitas outras horas de gameplay. Bem, agora vamos falar do que não gostamos…


Fator surpresa reduzido. Sim, na versão Overkill você não terá tantos “ataques-surpresa” dos monstros, mas isso não significa que você não precisará apertar muito o gatilho. Há inúmeros “itens para colecionar” pelos cenários, mas eles não trazem benefícios diretos ao jogo – são só para colecionar, realmente. E além dos gráficos não tão adequados ao PS3, como já mencionamos no início deste artigo, o jogo não possui opção de multiplayer online, o que pode desanimar os usuários da PSN.


Enfim, juntando prós e contras, se você gosta da franquia e não vê a hora de matar mais alguns zumbis, então não perca mais tempo e compre o jogo agora mesmo.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Twisted Metal


Estou voltando agora com os reviews de jogos e começarei falando sobre a nova versão do Twisted Metal para PlayStation 3. Bem, se você já jogou as versões de PS1 e PS2 já deve saber mais ou menos o que o aguarda, mas se você não conhece, não tem problema, estamos aqui justamente para explicar-lhe como funciona o jogo.


Sabe aquelas competições estilo Destruction Derby com carros se confrontando? Pois bem, essa é a lógica de Twisted Metal, só que aqui vale tudo e os carros podem usar mísseis, metralhadores, explosivos com detonadores e vários outros tipos de armas, além de armas específicas para cada veículo. Sim, em Twisted Metal há uma pequena variedade de carros e personagens que você poderá escolher, incluindo aí o palhaço assassino Sweet Tooth.


Quanto ao enredo, para quem não conhece, mais uma vez Calypso promove um torneio de demolição de carros e promete ao vendedor a realização de um desejo, seja ele qual for – o que não significa uma coisa muito boa pois, mesmo conseguindo esse desejo, geralmente o vencedor se dá mal no fim, basta jogar e conferir você mesmo.


Desde Twisted Metal 2 de PS1 já víamos bastante destruição, podendo detonar alguns carros de transeuntes inocentes a demolir a Torre Eiffel (um clássico!), mas agora, com o motor Havok, o jogo permite muito mais realismo nas demolições e explosões, entretanto a física dos carros em alguns pontos está um pouco estranha, por exemplo durante colisões, mas nada que tire totalmente a graça do jogo.


E se você gostou dos jogos anteriores, então eu acho que você vai gostar deste também. Acredito que o maior diferencial desse jogo não seja o realismo físico ou intensa dinâmica como é provida em outros jogos mais recentes, mas o retorno de um clássico que com certeza é inesquecível! E então, vai uma partidinha de Twisted Metal aí?

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

The Walking Dead: Survival Instinct ?

Quem gosta de The Walking Dead aí, levante a mão! \o/


Pois é, a Activision já anunciou que está em desenvolvimento um jogo FPS que se baseia na franquia The Walking Dead, que se chamará The Walking Dead: Survival Instinct. Então, se tudo o que você queria era poder estourar alguns zumbis feios em um mundo caótico e, “de quebra”, testar quão bom você é em sobrevivência (claro, tudo isso sem precisar ir a uma guerra de verdade), então em breve deve haver um jogo certo para você!


Segundo a Activision, o jogo se baseará na série de TV produzida pela emissora AMC. Não há muitos dados disponíveis ainda, exceto que o jogo contará os fatos ocorridos antes do início da série, mostrando a perspectiva dos irmãos Daryl e Merle Dixon em sua busca pela sobrevivência. E aí você já sabe: centenas de zumbis, muitas armas, mas pouca comida. Essa é a regra em The Walking Dead.


O jogo será lançado nas plataformas Xbox 360, Playstation 3 e PC em 2013, mas ainda não há data prevista para lançamento.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Max Payne 3

Você se lembra de Max Payne? Aquele policial durão, cuja esposa e filho foram assassinados brutalmente e, então, parte para uma longa e tenebrosa jornada, horas beirando até mesmo a insanidade, em uma trama regada a muitos tiros e pancadaria? Pois é, o terceiro da série já está a venda e pelo jeito será um sucesso tão grande quanto seus antecessores.


A história agora se passa em São Paulo, isso mesmo, no Brasil, onde Max trabalha como segurança particular de uma família rica. No início do jogo, uma gangue chamada Comando Sombra fará sucessivas tentativas de sequestrar os membros da família, até obter êxito no sequestro de Fabiana e outros. Bem, há muita reviravolta na história e não quero estragar o jogo contando tudo aqui, então é melhor não me prolongar quanto ao seu enredo!


Bem, para aqueles que curtem conteúdos baixáveis (os famosos DLC’s), vale a pena lembrar que um mapa chamado Cemetery foi disponibilizado, mas apenas para partidas multiplayer. Ao que tudo indica, Cemetery é o local onde a esposa e filho de Max foram enterrados. Sinistro.


A notícia está dada: quem tiver a oportunidade, compre Max Payne 3. Se não dá… Cole em um amigo que já comprou para jogar na casa dele! 😀


Max Payne 3

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Bear Soldier – sua opinião sobre “ursinhos fofinhos” está para mudar!

Todo mundo sabe que “ursinhos fofinhos” não gostam de dragões… Você não sabia? Bem, eu também não, até jogar Bear Soldier, um jogo no estilo clássico criado por jogos como Worms e Bloons! Em Bear Soldier, você é um ursinho todo fofinho (ei, não estou de sacanagem, não!) que não gosta de dragões e, por isso, decidiu acabar com todos eles usando suas armas, e aqui acaba toda a “fofura”, pois as armas são as tradicionais pistolas, espingardas, facas, granadas, explosivos com acionadores, etc.

Se você gosta de explodir ou atirar em dragões (ou qualquer outro ser, aí é só usar a sua imaginação!), Bear Soldier pode ser o jogo certo para você! Entretanto, não pense que você terá à sua disposição munição ilimitada! A munição é limitadíssima e podem haver obstáculos a serem destruídos como blocos de vidro, por exemplo, então você precisa saber utilizar-se bem de todos os recursos disponíveis.

É por isso que consideramos esse jogo uma mistura de jogo de ação e puzzle e acredito que agradará bastante jogadores de ambos os públicos. O jogo inteiro utiliza o mouse, o que torna o seu aprendizado bastante fácil: mire usando o mouse e segure o botão do mouse por tempo suficiente para determinar a força certa com a qual disparará a arma atual e pronto – agora é só rezar para tentar matar todos os dragões de uma vez só (consegui duas vezes!).

Se há uma coisa que adoraria ver nesse jogo, seria uma maior quantidade de armas (algo próximo de Worms Armageddon! 🙂 ), a possibilidade do urso mover-se pelo cenário a fim de aproximar-se ou afastar-se mais dos inimigos, um cenário bem maior com scrolling e um timing para a execução dos dragões, que começaria a contar a partir do primeiro tiro ou do primeiro passo, por exemplo, contabilizando assim a pontuação do jogador também a partir desses parâmetros. Ah, e um sistema de ranking para sabermos quão bem nós fomos (ideal seria ter essa informação para cada nível!). Aí sim o jogo seria muito mais desafiador! 😉

Bem, antes que eu me esqueça, aqui está um link para acesso ao jogo Bear Soldier (é só clicar na imagem):

Bear Soldier

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Sift Heads World – Act 6

Se você gosta de jogos que misturam ação com um pouco de exploração (sabe como é, procurar evidências, comprar novas armas, conversar um pouco – e atirar muito), então talvez se apaixone por Sift Heads World – Act 6, um jogo que mistura elementos de jogos de tiro em primeira pessoa com adventures point and click – uma combinação e tanto, não?

Como se pode perceber pelo nome, trata-se de uma sequência: os “caras maus” (se é que existe alguém bonzinho nesse jogo 🙂 ) explodiram o quartel-general de Vinnie, Shorty e Kiro. E é claro que eles não vão deixar isso barato, não é mesmo? Escolha um dos três personagens que você quer ser nesse jogo e esteja pronto para muita ação.

A primeira missão será livrar-se de alguns capangas da Yakuza e, então, ir até o prédio da máfia, em Tokyo, recolher provas e explodi-lo (claro, é necessário pagar na mesma moeda, não é mesmo?). Depois disso, você precisará interagir com outros personagens e, aos poucos, encontrar as pistas certas para chegar até os seus principais alvos (desculpem-me, mas eu esqueci os nomes deles 🙂 ).

O jogo possui um estilo gráfico muito, muito único: os personagens são desenhados no estilo “stick”, isto é, “homens-palito”, e os cenários são criados predominantemente em tons de cinza, preto e vermelho, e a música de fundo é ótima para “criar o clima” e assim o jogador sentir-se mais ainda “dentro do jogo”.

Se gostou da ideia do jogo, aqui vai uma imagem do mesmo (em minha opinião, não é a melhor, mas na hora da ação de verdade, não dá para perder tempo com screenshot 😀 ). Clique nela para ir para o jogo:

Sift Heads World - Act 6
Clique para jogar Sift Heads World – Act 6

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Resident Evil 6 em breve…

A Capcom já oficializou a notícia em torno do lançamento de Resident Evil 6, com data prevista para 20 de novembro de 2012. Clássico survival horror que sofreu alterações que o levaram ao gênero ação, apresenta-se agora com uma grande força para reunir os fãs da série ao unir os personagens Leone Kennedy e Chris Redfield, os personagens mais famosos da série Resident Evil. Além de Leone e Chris, haverá também um terceiro personagem controlável pelo jogador, porém seu nome ainda não foi revelado. Ah, e Ada Wong, que aparece em RE2, também terá alguma participação neste jogo, mais especificamente em uma campanha extra após o final do jogo.

A julgar pelos trailers, a mecânica de movimentação e posicionamento de câmeras mantém-se similar à apresentada nos jogos Resident Evil 4 e 5, onde a ação se passa em terceira pessoa. Além disso, o foco continua sendo a ação, em detrimento ao elemento “susto”, muito presente nos três primeiros títulos. E sim, não precisa se preocupar: os “bons e velhos zumbis/mortos-vivos” estão de volta. E em muito maior quantidade. Então, se você é mais um insano matador de mortos (?) como eu, não precisa se preocupar, você terá bastante o que fazer neste jogo.

Espera-se que a ambientação do jogo ocorra por meio de cenários similares aos já apresentados em títulos anteriores, porém espalhados ao redor do mundo – inclusive com algumas partes ocorrendo na China.

Quanto ao enredo, a história em Resident Evil 6 se passa dez anos após os fatos do primeiro título. Segundo Katsuhiko Ichii, chefe de marketing global da Capcom, o desenvolvimento e lançamento de RE6 representa um grande passo dentro da franquia e promete impressionar muito os fãs.

Vale lembrar que o lançamento dos títulos Resident Evil: Revelations e Operation Raccoon City também são aguardados ainda este ano.

E aí, cheio de vontade de jogar? Bem, enquanto não está pronto, você pode dar uma espiada em como será no seguinte trailer:

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS